Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Áudios
Início do conteúdo da página

Hinos e Canções

Publicado: Quinta, 18 de Janeiro de 2018, 13h52 | Última atualização em Terça, 27 de Março de 2018, 13h28 | Acessos: 1074

 Hino Nacional Brasileiro

  A música de Francisco Manuel da Silva, provavelmente composta em 1831, foi oficializada somente no segundo ano da República (1890) e sua letra, autoria de Osório Duque Estrada, adotada oficialmente em 1922. 

Poema: Joaquim Osório Duque Estrada
Música: Francisco Manuel da Silva


Parte I
Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
de um povo heróico o brado retumbante,
e o sol da liberdade, em raios fúlgidos,
brilhou no céu da pátria nesse instante. 

Se o penhor dessa igualdade
conseguimos conquistar com braço forte,
em teu seio, ó liberdade,
desafia o nosso peito a própria morte! 

Ó Pátria amada,
idolatrada,
salve! Salve! 

Brasil, um sonho intenso, um raio vívido
de amor e de esperança à terra desce,
se em teu formoso céu, risonho e límpido,
a imagem do cruzeiro resplandece. 

Gigante pela própria natureza,
és belo, és forte, impávido colosso,
e teu futuro espelha essa grandeza.

Terra adorada,
entre outras mil,
és tu, Brasil,
ó pátria amada!

Dos filhos deste solo és mãe gentil,
pátria amada,
Brasil! 

Parte II
Deitado eternamente em berço esplêndido,
ao som do mar e à luz do céu profundo,
fulguras, ó Brasil, florão da América,
iluminando ao sol do novo mundo! 

Do que a terra, mais garrida,
teus risonhos lindos campos têm mais flores;
"Nossos bosques tem mais vida,"
"Nossa vida" no teu seio "mais amores".

Ó pátria amada,
idolatrada,
salve! Salve! 

Brasil, de amor eterno seja símbolo
o lábaro que ostentas estrelado,
e diga o verde-louro dessa flâmula
- paz no futuro e glória no passado. 

Mas, se ergues da justiça a clava forte,
verás que um filho teu não foge à luta,
nem teme, quem te adora, a própria morte.

Terra adorada,
entre outras mil,
és tu, Brasil,
ó pátria amada!

Dos filhos deste solo és mãe gentil,
pátria amada,
Brasil!


 Hino à Bandeira

  Composto por D. Pedro I, em 1821. Em 1922, Evaristo da Veiga escreveu novos versos, que constituem a letra atual.

Letra: Evaristo Ferreira da Veiga
Música: D. Pedro I


Salve, lindo pendão da esperança, 
Salve, símbolo augusto da paz!
Tua nobre presença à lembrança
A grandeza da Pátria nos traz.

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Em teu seio formoso retratas
Este céu de puríssimo azul,
A verdura sem par destas matas,
E o esplendor do Cruzeiro do Sul.

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Contemplando o teu vulto sagrado,
Compreendemos o nosso dever;
E o Brasil, por seus filhos amado,
Poderoso e feliz há de ser.

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Sobre a imensa Nação Brasileira,
Nos momentos de festa ou de dor,
Paira sempre, sagrada bandeira,
Pavilhão da Justiça e do Amor!

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!


 Hino à Caxias

Compositor: Dom Aquino Correia


Sobre a história da Pátria, ó Caxias,
Quando a guerra troveja minaz,
O esplendor do teu gládio irradias,
Como um íris de glória e de paz.
Salve, Duque Glorioso e sagrado
Ó Caxias invicto e gentil!
Salve, flor de estadista e soldado!
Salve, herói militar do Brasil.

Foste o alferes, que guiando, na frente,
O novel pavilhão nacional,
Só no Deus dos exércitos crente,
Coroaste-o de louro imortal!

Salve, Duque Glorioso e sagrado
Ó Caxias invicto e gentil!
Salve, flor de estadista e soldado!
Salve, herói militar do Brasil.

De vitória em vitória, traçaste
Essa grande odisséia, que vai
Das revoltas que aqui dominaste,
Às jornadas do atroz Paraguai.

Salve, Duque Glorioso e sagrado
Ó Caxias invicto e gentil!
Salve, flor de estadista e soldado!
Salve, herói militar do Brasil.
Do teu gládio sem par, forte e brando,
O arco de ouro da paz se forjou,
Que as províncias do Império estreitando
À unidade da Pátria salvou.
Salve, Duque Glorioso e sagrado
Ó Caxias invicto e gentil!
Salve, flor de estadista e soldado!
Salve, herói militar do Brasil.


 Canção do Exército

Letra: Ten Cel Alberto Augusto Martins
Música: T. de Magalhães


Nós somos da Pátria a guarda,
Fiéis soldados,
Por ela amados.
Nas cores de nossa farda
Rebrilha a glória,
Fulge a vitória.

Em nosso valor se encerra
Toda a esperança
Que um povo alcança.
Quando altiva for a Terra
Rebrilha a glória,
Fulge a vitória.

A paz queremos com fervor,
A guerra só nos causa dor.
Porém, se a Pátria amada
For um dia ultrajada
Lutaremos sem temor.

Como é sublime
Saber amar,
Com a alma adorar
A terra onde se nasce!
Amor febril
Pelo Brasil
No coração
Nosso que passe. 

E quando a nação querida,
Frente ao inimigo,
Correr perigo,
Se dermos por ela a vida
Rebrilha a glória,
Fulge a vitória.

Assim ao Brasil faremos
Oferta igual
De amor filial.
E a ti, Pátria, salvaremos!
Rebrilha a glória,
Fulge a vitória.

A paz queremos com fervor,
A guerra só nos causa dor.
Porém, se a Pátria amada
For um dia ultrajada
Lutaremos sem temor.


 Canção da Artilharia

Letra: Jorge Pinheiro


Eu sou a poderosa Artilharia
Que na luta se impõe pela metralha,
A missão das outras armas auxilia
E prepara o campo de batalha

Com seus tiros de tempo e percussão 
As fileiras inimigas levo à morte e a confusão. (BIS)

Se montada, sou par da Infantaria,
Nos combates, nas marchas, na vitória !
A cavalo acompanho a Cavalaria,
Nos contatos, nas cargas e na glória

Com rajadas de fogo surpreender
As vanguardas inimigas e depois retroceder. (BIS)

Quer de costa, antiaérea ou de campanha,
Eu domino no mar, no ar, na terra,
Quer no forte, no campo ou na montanha,
Vibra mais no canhão, a voz da guerra; 

Da batalha sinistra a melodia
É mais alta na garganta da Pesada Artilharia. (BIS)

Se é mister um esforço derradeiro
E fazer do seu corpo uma trincheira,
Abraçado ao canhão morre o artilheiro
Em defesa da pátria e da Bandeira.

O mais alto valor de uma nação 
Vibra n'alma do soldado, ruge n'alma
do canhão. (BIS)

Hurra ! ... Hurra !... Hurra !...


 Canção do Forte de Copacabana

Adaptação: Canção "Soldados de Artilharia"


SOMOS DE ARTILHARIA,
LUTAMOS COM GALHARDIA
EM DEFESA DA HONRA E DA SOBERANIA,
A NOSSA PÁTRIA ADORADA
TERRA IDOLATRADA
E POR ISSO VIBRAMOS COM JUSTA ALEGRIA
COM ORGULHO NÓS SOMOS DA ARTILHARIA!

SOMOS DE ARTILHARIA,
LUTAMOS COM GALHARDIA
EM DEFESA DA HONRA E DA SOBERANIA,
A NOSSA PÁTRIA ADORADA
TERRA IDOLATRADA
E POR ISSO VIBRAMOS COM JUSTA ALEGRIA
COM ORGULHO NÓS SOMOS DA ARTILHARIA!

LUTAMOS PELO BRASIL
COM TODO ARDOR VARONIL
PROCURAMOS FAZER DO CANHÃO,
O ESCUDO DA NOSSA NAÇÃO
NASCEU COM SORTE, QUEM NASCEU BRASILEIRO:
MAS TAMBÉM NASCEU FORTE,
QUEM NASCEU ARTILHEIRO.

SOMOS DE ARTILHARIA,
LUTAMOS COM GALHARDIA
EM DEFESA DA HONRA E DA SOBERANIA,
A NOSSA PÁTRIA ADORADA
TERRA IDOLATRADA
E POR ISSO VIBRAMOS COM JUSTA ALEGRIA
COM ORGULHO NÓS SOMOS DA ARTILHARIA!
COM ORGULHO NÓS SOMOS DA ARTILHARIA!
COM ORGULHO NÓS SOMOS DA ARTILHARIA!

SENTINELA SEMPRE ALERTA
NO MAR, NO AR E NA TERRA
EMBORA AMIGOS DA PAZ,
NÃO TEMOS MEDO DA GUERRA,
NOSSO LEMA É VITÓRIA
LEMA QUE ORGULHA E UFANA
TODO SOLDADO ARTILHEIRO
DO FORTE DE COPACABANA.

SENTINELA SEMPRE ALERTA
NO MAR, NO AR E NA TERRA
EMBORA AMIGOS DA PAZ,
NÃO TEMOS MEDO DA GUERRA,
NOSSO LEMA É VITÓRIA
LEMA QUE ORGULHA E UFANA
TODO SOLDADO ARTILHEIRO
DO FORTE DE COPACABANA

registrado em:
Fim do conteúdo da página